consultas

Um exame oftalmológico de rotina permite detectar precocemente as principais doenças oculares, que incapacitam...

lentes de contato

As lentes de contato são lentes ópticas pequenas e finas, usadas diretamente sobre o olho para corrigir...

exames

A MIRALES possui o que há de mais avançado em recursos para a detecção de problemas oculares. São...

cirurgias

[toggle_content title="saiba mais" class="toggle box box_green"] Catarata consiste na opacidade...

oftalmologia infantil

A visão é um dos mais importantes sentidos que relacionam a criança com o meio ambiente. Qualquer...

tratamentos especificos

sobre a mirales

Novo Conceito em Oftalmologia A MIRALES é um centro oftalmológico voltado para o atendimento personalizado...

cirurgias

saiba mais

Catarata consiste na opacidade parcial ou total do cristalino (lente natural do olho). Geralmente atua de maneira progressiva. Inicia-se com a diminuição da acuidade visual mesmo com correção óptica. É uma doença ocular que pode ser congênita ou adquirida, sendo esta última a forma mais comum. As cataratas adquiridas, em geral, ocorrem em pessoas acima dos 60 anos e também são conhecidas como cataratas senis (envelhecimento do cristalino). Traumas oculares, uso de corticóides, inflamações intra-oculares, exposição excessiva à radiação ultravioleta e diversas doenças associadas, como o diabetes, por exemplo, são causas conhecidas.

Sintomas de catarata:

Além de causar a diminuição da visão, as pessoas podem observar imagens duplas, confusão para ver e distinguir cores, alteração freqüente do grau de óculos, muita dificuldade para a leitura e para ver de longe, além de pior visão em ambientes de baixa luminosidade. Pode ocorrer bilateralmente e ainda é a maior causa de cegueira no mundo, atingindo milhões de pessoas.

Tratamento de catarata:

Não existe tratamento clínico para catarata, este é sempre cirúrgico. A partir do momento em que a baixa acuidade visual não é mais corrigida com o uso de correções ópticas há indicação cirúrgica. O momento propício para a realização da cirurgia depende também do prejuízo e do comprometimento que esta opacificação vem trazendo ao cotidiano e as funções habituais do paciente. A técnica cirúrgica mais moderna para o tratamento da catarata consiste da remoção do cristalino por microfragmentação e aspiração do núcleo, num processo chamado Faco-emulsificação com implante de lente intra-ocular, onde após a retirada completa da catarata, é implantada uma nova lente. Atualmente, temos também a opção de corrigir erros refrativos (miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia) na cirurgia de catarata, ou seja, além de retirarmos a catarata contamos com uma variedade de lentes intra-oculares que ajudam a corrigir esses erros refrativos.

 

 

saiba mais

O pterígio caracteriza-se por massa fibrovascular, triangular e elevada, crescendo a partir da conjuntiva em direção à córnea. Localiza-se principalmente na área interpalpebral, no setor nasal, e mais raramente no setor temporal.

Sintomas:

Os principais sintomas são olho vermelho (irritado) e fotofobia. A causa exata não está definida por completo. O pterígio é mais frequente em pessoas que passam muito tempo ao ar livre, em especial durante o verão. A exposição prolongada à luz solar, sobretudo aos raios ultravioletas e a irritação crônica do olho devido a condições ambientais secas e poeira parecem desempenhar um papel importante. Um olho seco pode contribuir para o aparecimento de um pterígio.

Tratamento:

Quando o pterígio torna-se avermelhado e irritado, empregam-se gotas e pomadas oculares para reduzir a inflamação. Se o pterígio tornou-se grande o suficiente para atrapalhar a visão (ultrapassando a margem da córnea em 2,5mm ) pode ser retirado mediante cirurgia.

Diferentes técnicas cirúrgicas podem ser utilizadas. A técnica que utiliza o transplante conjuntival (exérese de pterígio e reconstrução com transplante de conjuntiva) é a que apresenta as menores taxas de recidiva (novo crescimento do pterígio após sua remoção cirúrgica). Aliás, a recidiva é o maior obstáculo a ser vencido, e constitui a principal complicação da cirurgia de remoção do pterígio. A técnica de transplante conjuntival proporciona excelente resultado estético e taxa de recidiva muito baixa, podendo chegar e alguns casos a níveis de 10%. Outras técnicas mais antigas, como a técnica de esclera nua (conhecida como raspagem), proporcionam taxas de recidiva elevadas, ocorrendo em acima de 50% ou até 80% dos casos em diversos estudos, o que levou praticamente ao seu abandono.

 

Apesar de uma excisão cirúrgica correta, o pterígio pode reaparecer, sobretudo em pessoas jovens. Em alguns casos recorre-se à radiação da superfície com b-terapia ou ao uso de medicações com o objetivo de prevenir a recorrência.

Prevenção:

A proteção dos olhos contra a luz ultravioleta excessiva através de óculos solares apropriados, evitando condições ambientais secas e empoeiradas, e a aplicação de lágrimas artificiais são medidas que podem ser úteis para prevenir a ocorrência do pterígio.

 

 

 

 

saiba mais

A cirurgia refrativa permite corrigir o grau (miopia, astigmatismo ou hipermetropia) do paciente pela aplicação de laser na córnea. Utilizada para reduzir a dependência dos óculos em altos graus de miopia e hipermetropia que perdem em qualidade de visão pelos óculos grossos e com área visual pequena. Também tem sua aplicação em graus médios e leves de miopia, astigmatismo e hipermetropia em pacientes com vontade de se tornar independentes dos óculos. Usada também para correção de presbiopia em indivíduos após os 40 anos, reduzindo o uso de óculos para perto.

A cirurgia refrativa é uma área novíssima da oftalmologia que vem sendo popularizada nos últimos anos. Demanda aparelhagem da mais alta tecnologia sendo necessária a formação e treinamento recente e atualizado do oftalmologista. É feita através de um equipamento chamado Excimer Laser que utiliza uma luz ultravioleta para remodelar suavemente a superfície da córnea e modificando sua curvatura para corrigir os erros refrativos, como a Miopia, a Hipermetropia, o Astigmatismo e a Presbiopia.

Com equipamentos de alta tecnologia e com oftalmologista qualificada e atualizada, a MIRALES disponibiliza a realização de todas as etapas de uma cirurgia refrativa. Inicia-se pela seleção do candidato através de exame oftalmológico detalhado e exames complementares. Estando apto para o procedimento cirúrgico é realizado exames pré-operatórios que definirão os parâmetros cirúrgicos necessários. Feita a cirurgia, segue avaliações oftalmológicas constantes no pós-operatório até a alta clínica.

Principais técnicas:

Atualmente existem duas técnicas para a correção da miopia, hipermetropia e astigmatismo: LASIK e PRK. Não existe diferença para o paciente na hora do procedimento, os dois são realizados sob anestesia local tópica (colírio anestésico) e o paciente recebe alta depois do procedimento. Podem ser tratados os dois olhos no mesmo dia, mas geralmente trata-se em dias separados pela maior segurança do procedimento.

LASIK (Laser Assisted In Situ Keratomileusis):

No LASIK cria-se primeiramente um flap na camada mais externa da córnea (epitélio), para após ser feita a aplicação do laser nas camadas intermediárias da córnea. Terminada a aplicação, o flap é reposicionado. Em geral, não há necessidade do uso de lente de contato terapêutica no pós-operatório como no PRK. O tempo de aplicação é inferior a 2 minutos por olho, corrigindo até 14 graus de miopia, até 6 graus de hipermetropia e até 7 graus de astigmatismo.

PRK (Ceratectomia Fotorrefrativa):

No PRK é feita uma raspagem para remover o epitélio da córnea (camada mais externa do tecido corneano). O laser então é aplicado diretamente sobre a córnea. O cirurgião programa o Laser para vaporizar camadas superficiais de tecido corneano. Com a mudança da curvatura da córnea, os problemas de foco são reduzidos ou eliminados. O tempo de cicatrização é de aproximadamente3 a4 dias Terminado o procedimento, uma lente de contato terapêutica é colocada diante à superfície corneana para promover a cicatrização e o alívio do desconforto nos primeiros dias do pós-operatório.